Pular para o conteúdo

PROTEÇÃO VEICULAR, COMO FUNCIONA?

Cada vez mais, as pessoas têm adquirido automóveis e outros veículos para se locomoverem. Isso fez com que aumentasse o número de ocorrências de acidentes no trânsito, assim como de casos de roubos e furtos de veículos, principalmente em função do mercado ilegal de peças de veículos roubados.

 

Neste cenário, torna-se praticamente obrigatório possuir algum tipo de recurso que proteja seu patrimônio contra as possibilidades que venham a ocorrer. Dentro das opções disponíveis, uma que vem se destacando a cada ano, credibilidade e visibilidade é a Proteção Veicular. Através desta modalidade, mais barata e bem menos burocrática que os seguros tradicionais, é possível proteger seu patrimônio sem gastar muito e sem as inúmeras burocracias que as seguradoras impõem a seus clientes.

 

A Proteção Veicular é um sistema de rateio, onde divide-se, de uma forma direta, os custos de roubo, furto, colisão, enchente, etc, dos seus associados, de forma que, caso algum associado enfrente algum tipo de contratempo coberto pela Proteção Veicular, o problema seja resolvido no menor tempo possível, com agilidade e sem burocracias desnecessárias.

 

Ele funciona mais ou menos assim: como se você e alguns amigos criassem um fundo para que, caso um de vocês sofra algum problema com seu veículo, possam ter um dinheiro guardado para o conserto, ou mesmo para a compra de um novo veículo. Vocês iriam ter que calcular o valor médio mensal dos custos com os possíveis sinistros, cuidar da contabilidade e dos aspectos jurídicos, verificar se os sinistros foram legítimos, contratar mecânicos de confiança, etc. Além disso, em função da pequena quantidade de participantes desta “Associação”, o custo final seria alto demais para cada um dos participantes, o que resultaria em prováveis inadimplências e problemas futuros. 

 

A Proteção Veicular é basicamente isso, um fundo, administrado por uma associação devidamente legalizada e registrada, onde os associados dividem entre si os custos mensais dos sinistros ocorridos no período. A diferença entre as duas situações é que, no caso de uma Associação de Proteção Veicular, o tamanho da estrutura, o porte da associação, o número de associados e a dedicação integral de um corpo de profissionais qualificados para administrar as ocorrências mensais, garante que o custo mensal seja inferior ao cenário apresentado anteriormente. 

 

Como surgiu a Proteção Veicular no Brasil?

 

A Proteção Veicular no Brasil surgiu de forma colaborativa, com uma iniciativa popular. A finalidade clara dessa iniciativa é sanar a enorme carência existente em relação à proteção patrimonial, causada pelo caos na segurança pública.

 

Ao que tudo indica, as primeiras associações de Proteção Veicular surgiram na década de 80 no estado de São Paulo, sobretudo o maior desenvolvimento foi na cidade de Betim, Minas Gerais. Uma solução encontrada pela classe dos caminhoneiros transportadores de veículos, de cargas inflamáveis e etc. Eles se viam totalmente desprotegidos e quando pensavam em fazer um seguro o mesmo equivalia a mais de 50% do seu valor. Vendo isso, consumidores começaram a enxergar no colaborativismo, a união para conseguir força e assim conquistar benefícios e preços acessíveis.

 

Quais são as principais diferenças entre Proteção Veicular e seguro tradicional?

 

Muitas pessoas confundem Proteção Veicular com Seguro, mas apesar de apresentarem algumas semelhanças são modalidades bastante diferentes. 

 

Funcionamento: A Proteção Veicular é gerenciada por uma associação sem fins lucrativos. Já o Seguro é ofertado por seguradoras de veículos com fins lucrativos.

 

Apólice: Na Proteção Veicular não há apólice de seguro, o que existe é um contrato de responsabilidade mútua. No Seguro a responsabilidade pelo risco assumido na apólice é da Seguradora.

 

Valor Pago: Na proteção veicular o valor é determinado, principalmente, pela tabela Fipe. No Seguro, é estipulado por diversos fatores como características do automóvel, motoristas adicionais, lugares que frequenta, entre outros.

 

Formas de Pagamento: A Proteção Veicular cobra uma cota mensal que é paga por todos os associados. A Seguradora cobra uma cota única, que pode ser parcelada.

 

Órgãos Reguladores: As associações são orientadas pela OCB (Organização de Cooperativas Brasileiras) e as seguradas são acompanhadas pelo SUSEP (Superintendência de Seguros Privados).

 

Cuidados na hora de escolher sua Proteção Veicular

 

Para que seja feita uma escolha, é necessário definir o tipo de serviço e proteção que você busca. Além disso, deve-se definir o valor médio que está disposto a pagar por tais serviços. 

 

Pesquise a Associação: Procure conhecer a associação que deseja contratar. Busque informações com outros usuários e entenda os benefícios que ela oferece. Além disso, pesquise referências sobre a legalidade da cooperativa antes de associar-se. Procure dados como CNPJ, endereço, telefone fixo, a fim de legitimar o serviço.

 

Converse com um Consultor: Os consultores poderão sanar suas dúvidas, explicar todo o funcionamento da associação e ainda mostrar os benefícios de sua adesão.

 

Qualidade das oficinas: É importante saber a quantidade de oficinas que possuem parcerias com a associação e, além disso, pesquisar sobre a qualidade do serviço prestado por elas. Só assim você saberá se seu veículo terá um reparo adequado.

 

Compare as Propostas: Atente-se aos serviços oferecidos e não escolha de primeira. Pesquise e compare as propostas para então optar pelo melhor custo x benefício.

 

A escolha de uma Associação de Proteção Veicular deve ser baseada no que for melhor para você, portanto, tire um tempo para analisar calmamente as possibilidades que tem, antes de efetivar uma contratação. Afinal, a segurança do seu veículo depende disso.

 

Conte com a Confia Cred. Para mais informações, te esperamos na Rua Fernando Abott, 387 no centro de Santa Cruz do Sul – RS. Além disso, a Confia Cred atende todo o Brasil via Online (digitalmente) no telefone: (51) 9 9180-0640 e para: (51) 3902-6098.  

 

Atendemos de segunda a sexta-feira, das 08h às 18h, sem fechar ao meio dia. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.