Pular para o conteúdo

COMO CONTRIBUIR COM O INSS ESTANDO DESEMPREGADO

Contribuir com o INSS, mesmo sem estar trabalhando pode dar ao cidadão maior segurança e estabilidade futuramente.

Por conta da crise causada pela pandemia de COVID-19 desde o ano passado, milhares de brasileiros perderam seus respectivos empregos, consequentemente, não estão mais contribuindo com a Previdência Social.

 

   O que pode ser prejudicial para eles daqui um tempo, afinal, essa contribuição garante que quando necessário o trabalhador receba auxílio doença, em caso de morte garante pensão para seus dependentes e além de conseguir antecipar a sua aposentadoria.

 

   Então para que se contribua com o INSS mesmo desempregado, é necessário que se escolha:

 

    Em qual categoria você irá contribuir

 

   Nesse caso, você seria o contribuinte facultativo, pois é aquele que embora não esteja exercendo nenhuma função profissional, ainda assim gostaria de contribuir com o INSS para garantir os seus direitos como trabalhador.

 

   Além dessa categoria, existe o contribuinte individual ou segurado obrigatório, que seriam os MEIs, autônomos, profissionais liberais, trabalhadores de carteira assinada, etc.

  Qual o valor a ser pago

 

   Através da base de cálculo se tem valores de contribuição que variam de acordo com o atual salário mínimo (R$1.100) até o atual teto da Previdência (R$6.433,57).

 

   Existem alíquotas de 20%, 11% e 5%

 

   Alíquota de 20%: é a mais comum utilizada, pois ela garante uma aposentadoria superior ao salário mínimo.

   Através dela, quem deseja contribuir com um salário mínimo precisa fazer a seguinte multiplicação:

   1.100 x 0,20 = R$220,00 é o valor a ser pago à Previdência mensalmente para contribuir com o INSS.

 

   Alíquota de 11%: é para quem deseja contribuir com um salário mínimo (sem distinção), nessa categoria não há outra opção de valor para contribuir que não seja R$121.

 

   Alíquota de 5%: o foco dessa alíquota é para os MEIs e segurados facultativos que estejam inscritos no CadÚnico por questões de baixa renda (que recebam até dois salários mínimos).

   E pelo cálculo de 5%, é necessário que se contribua com R$55 mensais.

 

   Vale ressaltar que as alíquotas de 11% e 5% não são válidas para aposentadoria em todos os casos, se por exemplo você não cumprir os requisitos para contribuição de apenas 5% não conseguirá se aposentar a menos que pague a diferença dos valores.

 

  Os códigos a serem utilizados

 

   Facultativo com alíquota de 20%: 1406

   Facultativo com alíquota de 11%: 1473

   Facultativo com alíquota de 5%: 1929

 

   Como fazer a contribuição com o INSS

 

   O contribuinte deve acessar o site do Meu INSS e preencher as seguintes informações:

  • Número do NIT ou NIS;

  • Nome completo;

  • CPF;

  • Código de recolhimento;

  • Mês referente ao pagamento/competência;

 

   Lá também, ele deve emitir a guia de pagamento, que tem um prazo para ser efetuado, até o dia 20 do mês seguinte de cada vencimento.

 

   Para emitir seu guia de pagamento no site do Meu INSS:

  • Faça seu login ou cadastre-se;

  • Desça a página até o final;

  • Clique na opção “emitir guia de pagamento (GPS);

  • Selecione a opção “continuar”;

  • Opte pela categoria “facultativo ou contribuinte individual”;

  • Preencha os dados do seu NIT/PIS/PASEP;

  • Resolva o Captcha;

  • Selecione a opção “confirmar”

  • Preencha os demais dados solicitados;

  • Em seguida imprima sua guia; 



Quer fazer um empréstimo consignado? CLIQUE AQUI.

Ou antecipar até sete parcelas do seu FGTS? Entre em contato com a Confia Cred através do WhatsApp (51) 994779513.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.